Introdução

Olá, seja bem-vindo!

Se você chegou até aqui, alguma coisa o trouxe até aqui. Ou você me conhece, ou você foi indicado por alguém ou alguma coisa te incomodou ou o incomoda quanto a sua fé e a suas crenças. Qualquer que seja o motivo, será um enorme prazer conversar um pouco mais com você.

Bem, imagino que talvez queira saber quem escreve e mantém este blog?

Então, vou falar um pouco mais sobre mim. Eu nasci num lar cristão e fui Testemunha de Jeová desde o meu nascimento e durante décadas.
Diferentemente do que alguns podem imaginar, desenvolvi e tive uma relação muito íntima com Jeová e diferentemente de outros irmãos da minha época, apreciava muito ir ao campo, no serviço de casa em casa para ensinar sobre Jeová, sobre seu novo mundo e o fim deste sistema de coisas que eu tanto ansiava.

Minha relação com Jeová era tanta que muitas vezes antes mesmo de falar com cada um dos moradores, orava pedindo orientação a Ele para utilizar as palavras corretas de modo a tocar o coração daquele que fosse me atender. Orava e conversava com ele a todo momento e isso era uma constante.

Sentia um enorme apreço com todos com quem eu falava e olhava-os como se fossem realmente ovelhas sem pastor e carregava o medo de que fossem morrer caso eu não conduzisse com zêlo o meu discurso, sentia como se a salvação deles estivesse nas minhas mãos.

Paralelamente a isso, sempre estudei muito a Bíblia e todas as literaturas da Organização (o nome que a Associação era chamada na minha época).

Tinha o meu estudo bíblico familiar, preparava todas as reuniões e fazia meu estudo bíblico pessoal.

Gostava de me aprofundar nos estudos e compreender cabalmente todos os assuntos e recebia tudo que vinha do Corpo Governante como alimento espiritual sólido.

Era comum eu combater apóstatas e fiz isso muitas vezes tanto em congressos como em assembléias.

E por falar nelas, participei de praticamente todos os departamentos em congressos e assembléias estando nelas desde bem pequeno ajudando meus pais, meus tios e avós em diversos departamentos, sendo que praticamente todos meus familiares ou eram pioneiros, servos-ministeriais e/ou anciãos.

Fui batizado jovem e era comum estar servindo como pioneiro auxiliar.

Cresci completamente imerso dentro dos ensinamentos da organização das Testemunhas de Jeová, participando com partes em praticamente todas as assembléias e congressos, participando regularmente de dramas bíblicos com papeis importantes.

Com 19 anos foi designado Servo-Ministerial e sempre fui muito ativo na congregação e nesta cheguei a cuidar de tudo: Departamento de Literaturas, Revistas, Territórios, contas, etc..

Embora não tenha chegado a ser ancião, pelo meu zelo cheguei a ser dirigente de grupo de estudo, da Escola do Ministério Teocrático e até mesmo da Sentinela algumas vezes.

Assim como era costume de meus pais eu também posteriormente sempre hospedei os Superidentes Viajantes em minha casa e sempre estive muito próximo deles, ajudando e participando de momentos posteriores às suas visitas em nossa congregação.

Construí não só Salões do Reino em construções rápidas, como também em construções lentas. Ajudei a construí várias partes do Betel de Cesário Lange, passando fins de samana na companhia de betelitas e também cuidei de territórios isolados.

Em certo momento cheguei a vender tudo para ser pioneiro especial em um território isolado, embora acabei não concluindo este movimento por motivos pessoais.

Em alguns momentos cheguei a ter mais de 20 estudantes da bíblia e era comum entregar relatórios com mais de 50 horas de serviço de campo.

Tive o privilégio de conhecer Betel de Brooklin e tive também o privilégio de conhecer e até mesmo estar com alguns irmãos do Corpo Governante.

Já incorri em risco de vida quando certa vez, necessitando de sangue, neguei a transfusão e assumi a morte com a esperança na ressurreição. Fiz parte da COLI, da comissão dos irmãos do sangue e interferi em vários casos, junto a médicos e juntas médicos onde o sangue estava sendo altamente recomendado, protegendo a consciência e a fé dos meus irmãos.

Poderia continuar contando muitas outras coisas, mas acho que já deu pra compreender que eu fui uma Testemunha de Jeová de corpo e alma, entregue, vivendo para Jeová em todos os sentidos da minha vida.

Mas então, o que aconteceu?
O que houve que me fez abandonar esta organização/associação?

Sim, eu abandonei e justamente por isso que o endereço web deste BLOG já diz tudo: FUI TJ

O INÍCIO DO FIM

Bem, preciso dizer que não deixei de ser uma Testemunha de Jeová pelo mal comportamentos de vários anciãos ou “homens mais maduros”.  Não, não foi por isso, muito embora era costume ver pessoas extremamente infantis com títulos de “anciãos”, quando diria que sequer eram homens ainda e tenha visto inúmero deles agirem como crianças egoístas e imaturas.

As coisas começaram a ficar estranhas quando em meus estudos comecei a me deparar com alguns pontos onde não concordava com a forma com as Testemunhas de Jeová, orientadas pelo seu Corpo Governante, interpretava certas passagens bíblicas. Não concordava com a Bíblia em outros e em alguns outros, achava Deus um ser também não lá muito maduro.

Mas eu sempre achava que o problema era comigo, que era a minha falta de capacidade em compreender corretamente os textos bíblicos ou a minha infinita pequenez em compreender os designios de Jeová.

Mas meus estudos bíblicos começaram a me mostrar algumas coisas que, do meu ponto de vista, eram nítidamente corretos, no entanto o Corpo Governante das Testemunhas de Jeová insistiam em ensinar diferente.

Isso começou a criar conflitos dentro de mim, começou a me trazer crises de consciência.

Estas crises começaram a se agravar quando eu me permiti analisar algumas posturas de Jeová, conforme demonstrado na Bíblia e diferentemente do que eu percebia que o Corpo Governante desejasse que eu concluisse, era nítido que aquilo não era como estava escrito nas literaturas da Sociedade.

Estes pontos começaram a aumentar em número e começaram a abalar toda a minha estrutura de fé.

Quando isso estava num estágio avançado, fui ter com os anciãos e apresentei algumas das minhas dúvidas. Eles sem conseguir me apresentar qualquer ponto de vista coerente à base das escrituras, me orientaram a confiar, a ter fé e me aconselharam a acreditar que eu não tinha capacidade de compreender a extensão e a forma como Jeová faz e decide.

Compreendi a limitação deles e era óbvio que não poderiam dizer qualquer outra coisa se não isso. Ao mesmo tempo fui orientado a ir falar com o superitendente de circuito, o que eu fiz.

O superitendente após ouvir alguns dos meus pontos fez as mesmas observações mas disse que assim como meu também tinha vários pontos que não concordava com a Organização/Associação, mas que preferia se manter na fé e colocar estes pontos debaixo do tapete e por fim me orientou a ir até Betel.

E logo lá estava eu em Betel apresentando alguns destes meus pontos, conversando com um dos homens mais maduros dentre as Testemunhas de Jeová do Brasil, ancião experiente que responde cartas e mais cartas e qual não foi o meu espanto quando ouvi deles exatamente as mesmas coisas.

Pior, quando eu apresentei a este irmão meus argumentos e perguntei se ele achava que eu estava errado, ouvi dele que não, que não achava que eu estava errado e que ele compreendia da mesma forma como eu.

Então eu perguntei: Como o irmão consegue ensinar outros sobre isso? O que o irmão faz, ensina o que está nitidamente errado porque vem de Brooklyn, ou ensina o que entende que é o certo, conforme está na Bíblia?

Ele não tinha saída e me deu uma resposta evasiva. Até que bonita de certo ponto de vista, mas que deixava claro que ele também deveria ter várias crises de consciência, como eu.

Bem, depois disso algumas coisas começaram a acontecer:

Primeiro, começou a ficar difícil voltar a ir de casa em casa e ensinar a Bíblia conforme a forma que o Corpo Governante das Testemunhas de Jeová gostaria, através das suas literaturas.

Segundo, comecei a me perguntar o que mais não estaria errado, como estes pontos que eu havia percebido?

Terceiro, comecei a rever tudo o que acreditava, tudo o que julgava saber e me permiti olhar com outros olhos, com olhos críticos, e não mais com os olhos de uma Testemunha de Jeová, que não julga nada, que não critica nada, que aceita tudo como vindo do próprio criador através do seu corpo governante.

Qual não foi minha surpresa quando percebi que se apenas mudasse a forma de olhar, várias coisas começavam a cair e uma sucessão de outros pontos começaram a ficar da mesma forma, difíceis de serem aceitos.

Nesta hora me encarei no espelho (me lembro como se fosse hoje) e conversei comigo mesmo, me encarei, e disse:
“Com quem é seu compromisso? Com a organização das Testemunhas de Jeová, ou com Jeová? É com o que os outros pensam de você ou com o que o Criador pensa de você? Você sabe qual é o seu futuro se você romper com as Testemunhas de Jeová, mas como você vai continuar sua vida, de forma hipócrita, percebendo vários erros mas colocando-os debaixo do tapete e propagando estas coisas que já não mais acredita, apenas para continuar tendo convivência com os irmãos e toda sua família, mas mal consigo mesmo, ou será honesto, coerente, íntegro, correto e justo para consigo mesmo e para com a com o que enxerga e vê e consequentemente para com o Criador que te enxerga e vê seu coração, muito embora sabe que ninguém a sua volta irá compreender e aceitar?”

Preferi ser honesto, coerente, íntegro e correto para comigo e para com tudo o que via e compreendia.

Na hora não sabia se iria me dissociar ou se preferia ser desassociado.

Me lembrei de uma publicação que dizia que pedir dissociação era quase que pecar contra o Espírito Santo e eu morria de medo de pecar contra o Espírito Santo. Então, preferi ser desassociado e conduzi para circunstâncias em que seria desassociado. E assim se deu.

No entanto, mesmo estando desassociado, meu coração não estava em paz. Carregava comigo uma grande aflição se estava fazendo o que era correto e tudo o que eu queria era perceber que estava errado e que meu coração voltasse a desejar ser Testemunha de Jeová novamente e que eu conseguisse colocar todos aqueles pontos debaixo do tapete, como percebi que outros irmãos faziam.

Bem, uma vez estando desassociado, estava um pouco mais livre e comecei a confrontar este e outros pontos com mais tranquilidade. Me permiti conhecer um pouco mais de perto outras religiões, tudo com o objetivo de realmente quebrar a cara, de me arrepender e de que meu coração voltasse a desejar voltar para “a verdade”.

No entanto não houve progresso em nenhum sentido e depois de alguns anos desasssociado, não progredi em achar que estava certo, nem que estava errado, mas continuava da mesma forma e não conseguia ainda desejar ser novamente uma Testemunha de Jeová.

Mesmo sendo hostilizado por ser desassociado, não me importava e compreendia totalmente quem agia assim. E mesmo distante, todo o meu conhecimento continuava vivo, intacto e pulsante e não era anormal eu defender ferrenhamente a forma de pensar e de agir das Testemunhas de Jeová, defendendo tudo como se fosse uma Testemunha de Jeová. Cheguei até a iniciar um estudo bíblico para com uma pessoa, como se fosse uma Testemunha de Jeová e depois a encaminhei para um dos Salões do Reino para que o estudo fosse continuado.

 

REVENDO VELHOS CONCEITOS

Até que por um motivo muito pessoal, onde uma pessoa muito íntima minha, começou a demonstrar um comportamento bastante estranho e foi nesta ocasião que comecei a ter contato com situações totalmente inesperadas. Como já disse, esta pessoa bastante próxima e íntima começou a apresentar comportamentos muito estranhos, comportamentos estes que como Testemunha de Jeová deveria atribuir à Satanás, aos demônios, como que incorporado, manipulado pelas forças espirituais iníquas, ou qualquer outra coisa neste sentido.

No entanto, ao mesmo tempo que percebia inocência nela e não percebia maldade de forma alguma, lia originalmente da forma como eu fui ensinado a tudo o que me vinha a mente era que aqueles comportamentos eram demoníacos, conforme havia aprendido. Mas alguma coisa no meu coração dizia que não eram.

Bem, como disse, estava com todos os ensinamentos vivos e intactos dentro de mim, mas estava desconectado da associação já ha um bom tempo e por isso me permiti fazer uma coisa que até então jamais faria, fui até uma cartomante. Havia sido muito incentivado por amigos a ir ter com esta mulher, a cartomante.

Ao chegar lá, estava extremamente tenso e me perguntando todo o tempo se deveria mesmo ter dado aquele passo. No entanto quando vi a mulher, encontrei uma mulher totalmente normal. Rica, bem rica e que disse que fazia isso como forma de ajudar uma instituição de caridade. Me apresentou qual era a instituição e disse que o valor que eu pagaria a ela seria destinado a essa instituição.

Ok, compreendi.

Ela continuou dizendo que não tinha nenhuma religião mas que por desde criança ser uma pessoa sensitiva, estudou isso mais de perto e desenvolveu um pouco mais este dom (o que para mim não era dom algum) e que resolveu fazer isso para ajudar os dois lados, quem estava aflito com coisas da vida ao mesmo tempo que com o dinheiro destes, ajudava esta entidade.

Ok, compreendi também.

Bem, nos sentamos num canto isolado da sua linda sala e diante de umas2 ou 3 folhas de sulfite e um lápis me perguntou:

– Qual o seu nome?
Eu disse
– Qual a data do seu nascimento e onde nasceu?
Eu disse

E ela começou a rabiscar as folhas, a fazer contas e mais contas. Ficou ali bem uns 10 ou 15 minutos fazendo contas e eu não estava entendendo nada, quando de repente ela diz:

– Muito bem, já compreendi bastante coisa e podemos começar…

E ela começou a falar um monte de coisas da minha vida, um monte mesmo!
E ela não só falava coisas que tinham acontecido como também falava as datas que aconteceram.

E ela não estava tomada por nenhum ser, ela estava totalmente normal, lúcida, sã.
E não falava como se fosse algo do outro mundo, falava com a maior naturalidade, como se estivesse descrevendo a roupa que eu usava e que os olhos dela eram capazes de ver.

Ela me via e eu me senti meio que nú na frente dela.

E ai, comecei a me perguntar: Como aquilo era possível?

Ela foi longe e falou várias coisas, muitas coisas e eu estava cada vez mais de queixo caido.

Ai ela jogou cartas e eu escolhi e ela leu e da mesma forma, com a mesma naturlidade, ela continuou a dizer coisas da minha vida.

Eu estava bestificado!

Ai, no meio da história, fomos interrompidos por sua empregada que relatava que uma pessoa passava mal no quarto. Ela pediu licença e foi ter com esta pessoa e voltou. Depois de mais umas duas interrupções ela me pede desculpas mas diz que esta pessoa que está passando mal no quarto está mal por minha culpa.

Como? Oi?

Sim, ela disse. Eu vim muito “carregado” e o problema que eu trouxe, já havia sido detectado por essa pessoa que estava no quarto, antes mesmo de eu chegar.

Oi? Como?

Eu estava cada vez mais bobo com tudo….

Ai esta pessoa que estava no quarto veio e era uma senhora negra, bem magrinha e miuda.
Tentou me cumprimentar mas preferiu não chegar tão perto e voltou ao quarto, quando então foi tomada por um espírito…

Nesta hora eu fiquei aflito e sem saber o que fazer

Esta mulher me perguntou se eu já tinha visto uma pessoa tomada e eu disse que não.
Ela me perguntou se eu queria ver…
Eu acabei aceitando e fui até o quarto com ela.

Esta senhora estava no chão, meio que se contorcendo e muito embora a cena era meio grotesca e estranha, ela não me causou medo.

Aquela senhora ficou ali por algum tempo até que voltou.

Assim que voltou veio até mim e me falou mais um monte de outras coisas, tudo relacionado ao que me levou até lá. Ela tinha um ar bom, sereno e pacífico e diferentemente de tudo que me foi ensinado, eu não senti medo. Não parecia que estava contactando um demônio, conforme deveria sentir.

Bem, sai de lá com mil dúvidas e perguntas, muito mais dúvidas e questões do que estava antes. Diferentes….

Não contente, achei que deveria consultar outra pessoa, para ver o que aconteceria. Pensei que vendo outra pessoa falando coisas totalmente diferentes, perceberia que aquilo tinha sido só uma série de coinscidências.

Procurei ir numa pessoa séria e bem conceituada (assim como me foi recomendada a primeira mulher)

Qual não foi meu espanto quando esta segunda pessoa, usando de outros métodos, me diz praticamente as mesmas coisas! Desta vez sem ninguém tomado por nenhum espírito.

Não satisfeito, procurei uma terceira pessoa para checar tudo, inclusive o que as primeiras pessoas falaram e novamente me deparei com uma pessoa que usando de métodos similares, me disse exatamente as mesmas coisas.

Como isso era possível?
Afinal, o que era isso?

Eu não senti nada de demonismo nestas consultas, ao contrário, pela forma metódica com que agiam mais parecia uma ciência, uma ciência que eu desconhecia totalmente.

Fazia mil perguntas a todos eles e ou não compreendia o que eles falavam ou achava tudo muita loucura e besteira. Achava que todos eles estavam perdidos, enganados e que não sabiam o que falavam de fato, afinal, eles tinha que estar tendo parte com os demônios, para fazerem o que faziam.

Mas ao mesmo tempo que eu pensava isso, que deveria ser isso, ao mesmo tempo eu sentia outra coisa. Sentia que não tinha demônio algum e que talvez eu é que não estava mesmo entendendo o que eles diziam, pois os 3 falavam praticamente as mesmas coisas. Era mesmo como uma ciência que eu desconhecia.

Bem, comprei livros e comecei a tentar compreender melhor isso tudo mas, infelizmente, ao ler os livros, não consegui compreender nada e tudo parecia conversa de louco, contos da carochinha, coisas bobas e tolas demais para serem acreditadas.

Mas ao mesmo tempo, não poderiam ser, pois percebi que funcionava. Funcionou comigo!

Qual não foi minha surpresa quando, mesmo fazendo isso de forma oculta, tudo foi descoberto com detalhes que ninguém nunca soube, por aquela pessoa que me levou a procurar tudo isso.

As coisas estavam ficando complexas demais e eu já não estava entendendo coisa alguma. No entanto, tudo estava encaixado de alguma forma que eu desconhecia.

Bem, acabei percebendo algumas coisas como por exemplo que existiam forças que funcionavam e que não eram visíveis ou compreendidas pela ciência que conhecemos e que estas forças não pareciam ser demoníacas, mas apenas que funcionavam de outras formas.

Percebi que a Bíblia mencionava várias vezes essas coisas, afinal a numerologia está na Bíblia pois Abrão virou Abraão, Sarai virou Sara, Jacó virou Israel e assim por diante.

Na Bíblia homens de Deus jogaram sorte algumas vezes.

A Bíblia fala de sacrifícios e se formos ler Levíticos iremos ver vários rituais muito, muito estranhos.

Percebi que os Judeus conheciam muito destas coisas e que este estudo estava lá no cerne do judaísmo, na Cabala, ou Cabalá (ou Kabalah).

Percebendo que dificilmente (quase impossível) teria contato com estes ensinamentos por não ser Judeu Ortoxo, acabei me distanciando de tudo isso e fiquei quieto por um tempo.

Tentei de uma ou outra forma de compreender melhor tudo isso, mas nada me satisfazia.
Comprei mais livros mas da mesma forma tinha muita dificuldade em compreender, acreditar e encaixar as peças.

 

UM NOVO INÍCIO

Foi quando fui convidado para participar de um grupo de pessoas que estavam aprendendo estas e outras coisas com uma pessoa, digamos que diferenciada.

Fui numa desta reunião e ouvi coisas muito, muito interessantes e ao mesmo tempo que muito diferentes de tudo o que eu havia aprendido, se encaixavam com várias coisas que estavam na Bíblia, mas de outra forma.

Continuei indo nestas reuniões semanais e apredendo e a cada reunião, uma peça se encaixava e devagarinho, muito devagarinho, um novo cenário começou a ser montado para mim.

Era muito difícil compreender as coisas de forma tão diferente, tão diferente de todas as formas que eu fui ensinado, mas era tudo muito coerente. Tudo se encaixava de modo muito estranho e forte.

Foram anos participando destas reuniões, anos relutando para não enxergar as coisas diferentemente da forma como eu tinha aprendido desde criança, mas não dava mais para segurar, a nova construção foi sendo feita e depois de um tempo de forma mais acelerada.

As mesmas peças eram encaixadas de forma diferente, TOTALMENTE DIFERENTE, mas se encaixavam de uma forma extremamente forte e coerente e tudo foi sendo reestruturado aqui dentro.

Até que depois de um tempo, até as partes mais resistentes, que teimavam em não cair, também cairam e não ficou pedra sobre pedra do que antes eu acreditava, tudo estava novo e refeito.

Bem, depois disso, todos estes livros que antes não faziam o menor sentido hoje eu compreendo. Tudo aquilo que eu achava estranho, hoje é normal, compreensível e lógico.

E muito embora eu ainda não saiba muitas coisas, minha compreensão do mundo, do universo e do Criador é totalmente diferente das que eu tinha anteriormente e para mim hoje tem cheiro de verdade de fato.

Não tenho medo de conversar sobre este assunto com ninguém, ao contrário, tenho vontade de continuar crescendo neste conhecimento e é isso que acontece cada vez mais, dia a dia.

No entanto, se olho para trás e vejo aonde eu estava, chego a sentir vergonha.
Durante muito tempo, mesmo estando desassociado, nunca senti vergonha de ter sido Testemunha de Jeová, afinal, achava que era uma religião boa, por tudo o que julga saber, por suas condutas, ete…

No entanto, hoje sinto vergonha de um dia ter sido uma Testemunha de Jeová e percebo quanto tempo eu perdi estando dentro desta organização/associação.

Quantas coisas erradas aprendi, acreditei e ensinei e quanto isso me tolheu de ver as coisas de forma limpa e correta. Quanto fiquei preso em culpas e totalmente formatado e cego para tantas coisas bonitas que estavam à minha volta.

Além disso, quanto errei também em julgar de modo não humano, pequeno e horrível Ex-Testemunhas de Jeová que estavam desassociadas e hoje percebo quanto que esta religião é nociva e prejudicial ao desenvolvimento do ser.

Sem contar que depois do advento da Internet, jorram por todos os lados os erros, falhas e incoerências desta religião.

Por tudo isso, resolvi escrever este blog, para mostrar quais foram alguns dos pontos que me levaram a duvidar, outros que percebi posteriormente bem como um pouco do que acredito hoje, e como enxergo as coisas que estão à nossa volta.

Ficarei feliz e grato se você tiver interesse em continuar em saber mais sobre tudo isso mas preciso fazer um alerta, não necessariamente irá encontrar coisas agradáveis. Tal qual uma criança quando cresce pode se assustar quando descobre que foi fruto de uma relação sexual, da mesma forma a verdade a princípio pode doer.

Portanto, se você desejar continuar acreditando “em cegonha”, te aconselho a não continuar lendo meu blog.
Mas se você desejar começar a ter contato com algumas verdades, respire fundo e prossiga lendo, vamos lá.

 

RESIGNIFICANDO TUDO NUM APRENDIZADO CONTÍNUO

Nos Menús ali em cima estarei colocando pontos que mostram:

Em breve novos títulos irão aparecer ai no Menú, tais como:

  • Cristianismo – Será que o Cristianismo é realmente algo bom?
  • Física Quantica – Quantica – O que a física quântica tem a dizer sobre tudo isso?
  • Ocultismo – O que existe e está oculto aos olhos? Quais são forças que não são percebidas pela nossa ciência tradicional mas que estão à nossa volta e intereferem em nossas vidas?
  • Dentre outros…

E termino dizendo que, talvez não tenha uma esperança tão bonita para apresentar, como tem as Testemunhas de Jeová, mas apresento-lhe algo que tem muito mais cheiro de verdade.

Cabe a você escolher agora, se quiser continuar iludido com tudo o que as Testemunhas de Jeová lhe prometem, não leia este blog mas, se quiser conhecer um pouco mais de algumas verdades, “be my guest”.